domingo, 10 de abril de 2016

Não esqueça do pão

                                                

            Existem tipos nesta vida que não se apagam.  Ou para muitos, quando são artistas, principalmente, ou para um reduzido grupo de amigos.  Às vezes, para um só mesmo.
            Sempre bem barbeado, banho tomado, terno azul de tecido leve, sem gravata na maioria das vezes, o magro comandante Carlos surgia do nada e para ele voltava sem deixar vestígios.  Tinha cinquenta anos, pouco mais ou pouco menos.  Invariavelmente, estava embriagado.  Falta de educação, ou mesmo a chamada vergonha na cara?  De modo algum.  Doença mesmo, que matou um irmão.  Etilismo. 
Como a Vida não é feita só de desgraças, Carlos era um homem destes que não esquecemos com facilidade.  Para quebrar toda a sua angústia interna, que não revelava, nem falava no assunto, era um observador arguto do que se passava no cotidiano.  O rum não impedia suas observações deste mundinho em que vivemos.  Gostava, sobretudo, de gaiatices e fatos que incomodam muitas vidas.  Gostava de uma boa farra, bebidas, cigarros, mulheres que passados os fatos festivos, sumiam para sempre.  Experimentadas.
— Vocês são muito burros.  Não sabem fazer um negócio malandro parecer um fato normal.
O comandante Carlos estava cercado de jovens, muitos casados de pouco tempo.
— Estou dizendo.  Se quiserem passar uma ou mais noite na esbórnia — gostava de palavras difíceis — tem que saber jogar, ou morre seco.  Homem costuma ser chefe de família.  A mulher, como fica?  Chega bêbado em casa, cheirando a mulher?  Isso lá é papel?
— Que fazer, comandante? — foi a vez de um casado de pouco.
— Fácil.  Vá ao encontro.  Beba, agarre a mulher, pegue com vontade, elas gostam e se for para cometer traição, cometa com sabedoria, moleque.  Pegue, beije, faça o que quiser e não se incomode com nada.  Aproveite, não é sempre que isso acontece.
— E a hora?  De noite não dá!
— Como não dá, infeliz?  Deixe o tempo passar.  Quando forem dez da noite, a mulher está uma fera, estrangula você.
— E?
— E você deixa passar o tempo.  Dez, meia-noite, uma da manhã.  Às duas, ela já ligou para a mãe, que por sua vez fala com o filho mais velho.
— Maldade!
— Maldade é você não consumar o ato.  Isso sim é maldade.  A partir das duas, ligam para a polícia, hospitais, amigos, é uma confusão dos diabos, tem gente que começa a rezar, pedem proteção, imaginam que pode ter acontecido o pior, fazem promessas.
— E você...
— Continua aproveitando.  Quando o dia raiar, vá embora.  No caminho, passe numa padaria.  Compre duas bisnagas. Duas bisnagas, rapaz, você ouviu bem.
— Mas não entendi!
— É burro mesmo!  Pegue o rumo de casa, chegue amarfanhado, com a cara amassada e hálito alcoólico, vão urrar de alegria, você está vivo, conseguiu se livrar do sequestro sem arranhões e ainda passou na padaria. O pão!  Nunca se esqueça do pão, é festa total!


14 comentários:

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Bom estrategista esse Comandante Carlos... Abraços, Jorge.

Sueli Fajardo disse...

Esse comandante não conhece as mulheres de hoje. kkkkk Tenho certeza de que, qualquer dia desses, ele seria surpreendido, ao chegar, pela manhã, em casa... kkkkk

Caio Martins disse...

Hilário, Mestre Jorge! Enquadrando no tempo mais de meio século a menos, perfeito... Hoje quem anda passando na padaria cedinho e chegando toda bagunçada é a muierada!

Marco Bastos disse...

NEM COM UMA FLOR

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10153593943860922&set=pcb.10153593945495922&type=3&theater

Célia Rangel disse...

Pão?
Com ou sem glúten?
Integral, de preferência...
Sem lactose ou carboidratos...
Será que se lembrará disso tudo?
kkkk...
Abraço.

Rita Lavoyer disse...

Que cara mais mal arrumado. Tem que merecer um traste desse mesmo pra aceitá-lo assim..
Vagabundo é tão miserável que nem leva mortadela pra comerem com o pão???
Te contar, viu, Jorge!?
Bom conselheiro esse seu personagem. O conto continua? vai botar a mortadela no próximo episódio??
Genial!!

Carmem Velloso disse...

Quem acertou foi o Caio, Jorge. Há cinquenta anos, o conto está perfeito.
Hoje tem que mudar os personagens!
Engraçada, a sua história. Beijos.
Carmem

Anderson Fabiano disse...

rssss
Essa me lembrou uma do grande mangueirense Carlos Cachaça.
Uns parentes da mulher chegaram sem avisar no sábado de manhã e ela resolveu fazer um cozido aproveitando a feira que funcionava na Visconde de Niterói. Mas, faltava repolho. Então pediu o Carlos pra comprar no pé do morro.
Carlos foi e na volta encontrou a "rapaziada". Uma pinguinha aqui, um sambinha ali, perdeu a hora. Perdeu a hora e o dia, voltou na segunda de manhã.
A mulher estava uma onça, os parentes foram embora e o cozido não teve repolho.
No meio da bronca que teve um monte de "cachaceiro", "irresponsável", "grosso" e outros adjetivos inconvenientes para um blog literário, Carlos interrompeu e soberano disparou: Mas, meu amor, tá reclamando sem razão, eu trouxe o repolho!
Grande Jorge! Grande Carlos Cachaça!

Celso Felício Panza disse...

Esse negócio de sem medidas em tudo, birita, virar as costas para a família, etc, não dá certo, esse cara precisava e tomar uns taponas na cara, bem dados, daqueles que faz rodar que nem pião, meu filho é bom nisso,já vi dar um só em um sujeito que furtou a bola da irmã Renata, e saímos de carro procurando, e achamos, quando conseguiu levantar depois do coice, como um capeta correu sem parar,como um louco. Parece que ensinei bem. Não gosto de vagabundos e a desculpa é babaca. Ridícula.E como disseram seus amigosm blogueiros,meio sáculo atrás, podia ser, você é testemunha disso, hoje um par de chifres para essa conduta e outras seria tranquilo, se já não era,na moita e bancando santa. As mulheres aguentavam biriteiros e malandros burros, com seus trocos..... Abraço. Celso

Sergio Restieri disse...

Vim por indicação de uma amiga, mas confesso que achei sem graça a história, desculpe.Um bêbado, pior condição humana, viciado, que não liga para a família que podia pensar que estava em perigo ou morto. Um sujeito que não vale nada, egoísta. Podiam botar veneno no pão que ele trouxe e servir a ele com um bom café da manhã,esses tipos não fazem falta. Quem ia dar conta que ele já era, ninguém.
Sergio Restieri.

ॐ Shirley ॐ disse...

Jorge, você escreve muito bem, impecavelmente, sem dúvida, mas, não gostei desse mau-caráter comandante Carlos...
Aquele beijo de sempre!

Tais Luso disse...

Sim, existe isso pelo simples fato de que psicopatas existem. E em vários graus.
Se dá nojo, é outro problema; se causa indignação e uma vontade louca de acabar com a criatura, também é outro problema.
Vemos coisas mais ou menos assim, maquiavélicas, quase todos os dias. E ninguém gosta ou aceita histórias assim, mas andam por aí.

Meu abraço, Jorge!

Doce Vita disse...

Argumento desenvolvido com habilidade. Parabéns Jorge! Abraços

marcia disse...

Jorge,achei esse conto muito machista.
Conta outro ao contrário ...
bjus