segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Que mundo é esse


                    

            Perece, a gente nunca tem certeza, que nós estamos constantemente nos indagando que mundo é este em que estamos vivendo.
            Até trinta anos atrás, é a média que todos fazem, casais de namorados, com a amada pela mão, passeavam por ruas das cidades sem nenhum temor. Traficantes restringiam-se nas entradas das ruas de acesso aos morros conhecidos por haver tóxico.
            Fuzis de guerra, como o AR 15 e o AK 47, respectivamente norte-americanos e russos, estavam em quartéis.  Hoje, andam como nossas antigas carabinas de pressão, capazes de matar um pardal, isola, é maldade, mas pirralhos são dados a experimentar a sua pontaria, aquelas armas andam na mão de menores, os famosos soldados do tráfico.  Pequenos, sem formação muscular e óssea definida e forte, sem formação cerebral, tornam-se gigantes com um fuzil semiautomático.
            É tudo de ruim?  Não, não é mesmo.  Cretinos dirigentes de povos resto do mundo também fazem o mesmo, mas com mísseis de longo alcance, que num futuro bem próximo poderão transportar artefatos nucleares poderosos.
            Ou seja, não parece, o mundo realmente virou de cabeça para baixo.  Tudo anda errado.  A corrupção campeia, em qualquer atividade, inclusive, e quem poderia imaginar, na esportiva de competição.
            As Olimpíadas do Rio de Janeiro serviram para os dirigentes moleques enriquecerem.  Tanto os da área esportiva, como os executivos que ficaram milionários com as obras exigidas pelo Comitê Olímpico Internacional. Foram vendidos ingressos sem controle, as obras superfaturadas, o erário dilapidado.
            A Copa de Futebol não foi diferente. Fraude em cima de fraude. Agrada ao autor estar escrevendo tudo isto, ao invés de estar louvando seu povo?  De jeito nenhum, não!  Envergonha!   
            Então porque escreve, perguntarão muitos?
            Para mostrar que falsos líderes, verdadeiros moleques ladrões, não é preciso citar nomes, todos conhecem, que devem ser extirpados da vida nacional.
            É assim.  Mudar, serem punidos, ou até mesmo castigados mais severamente pelo pobre povo brasileiro.   

              
            O agressivo e belo porta-aviões George Washington, da 4ª Frota Norte-Americana

9 comentários:

Célia Rangel disse...

Jorge!
Difícil comentar tamanha realidade, muito bem narrada por você! Parabéns, muito contrariada, pois preferia que fosse outro o tema de sua crônica... Mas encarar de frente a realidade já passou do tempo por todos nós! CHEGA! BASTA! Há 'larápios' com muito do que é nosso, e nós sem nada do que deveríamos usufruir. Escolas, hospitais e seguranças 5 estrelas é para aqueles que usurparam-nos. Nós, na mendicância de nossos direitos diários. Não está fácil viver com tamanha indiferença humana! Quanto vale a vida para aquele que carrega o fuzil e para nós diante dos mesmos?
Abraço.

Caio Martins disse...

De fato, de fato, nada mudou nos últimos milhares de ano quanto à qualidade do bicho-gente. Só a quantidade, de modo assustador. Pegue o Velho Testamento e o Código Penal rastaquera que temos. A cada virar de página, um ou mais crimes...

Tais Luso disse...

Só quem vive no Brasil pode ter a dimensão 'quase' exata do que está acontecendo aqui. Muito ainda não apareceu... Nossos amigos da Europa não podem ter ideia, pois os noticiosos são escassos por lá. E mesmo não daria para entender.
Você está vendo como a situação está ficando cada dia pior? Tenho recebido tudo ‘do dia’ pelo YouTube. Estou um pouco viciada em noticiosos. Bom seria se pudéssemos escrever sobre coisas mais brandas, mas pensando bem... é preciso que saibamos as manifestações de todos os lados. Como sempre, ótimo texto, Jorge.
Beijo, querido amigo.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Pois é, Jorge, uma vergonha... e o pior de tudo é que, provavelmente, estamos ainda apenas arranhando a superfície do que ainda falta ser revelado. Fosse levado a sério, seríamos muito provavelmente o mais rico país do mundo!

Nadir D'Onofrio disse...

Jorge a crônica não poderia ter sido mais oportuna, infelizmente!
Dizer mais o quê? Somente que tenho estado, mal, depressiva perante os acontecimentos
dos últimos dias, principalmente, sobre o incêndio da creche ceifando tantas vidas, e quantas mais ficarão marcadas carregando traumas pelo restante dos dias.

Um conjunto de absurdos pipocando todos os dias!
 Como você bem citou no início, que país é esse?
Continue escrevendo, é uma forma de protesto, indignação.

Abraços.
Nadir

Carmem Velloso disse...

Jorge, você não imagina como tudo isso narrado irrita o povo. Estes moleques fazem o que querem e acham que desconhecemos, ou não vamos fazer nada. Estão redondamente enganados. Basta pegar o primeiro e dar um 'corretivo' de ninguém botar defeito que muda. Mas ninguém faz nada!
Beijo,
Carmem

Rita Lavoyer disse...

Jorge, o povo brasileiro , no geral, sofre. Mas a população do Rio de Janeiro, penso, está pagando pelos pecados de todos.

Gil Façanha disse...

Lamentavelmente realista! Tristeza e indignação! Gostaria de começar a ver justiça de verdade nesse país...na verdade.... no mundo. Mas literalmente, creio que só a justiça divina seria capaz de mudar tantos estragos. Afinal, destruir é nossa grande arte desde que o humano foi criado.

Eduarda Krass disse...

Assisti na Globo News uma entrevista do embaixador Rubens Ricupero.
Desesperançado, ele afirmou que no Brasil faltam líderes e talentos. Como progredir, no momento? Só com a equipe do Meirelles?
Abraço, Jorge.
Duda