terça-feira, 29 de setembro de 2009

Paixão

Os namorados/Van Gogh













A travessia Rio - Niterói feita pela antiga barca mostra um panorama deslumbrante.
É vista a entrada da barra da Baía da Guanabara, o contorno da Serra do Mar, as águas ainda sujas, mas já proporcionando a volta dos botos, que nas suas evoluções, sempre encantaram os que fazem a travessia.
Um homem, taciturno, parecia envolto na leitura do jornal aberto. Seus pensamentos estavam longe. A nova colega de trabalho, moça de seus vinte e oito anos, não lhe saía da cabeça. Seus cabelos curtos, muito bem cortados, sua roupa discreta e elegante, chamando a atenção para um copo bem moldado, melhor dizendo, esculturamente talhado, não lhe saiam da cabeça.
Era sexta-feira, e ele só retornaria a ver sua nova paixão dois dias depois.
Sonhou. Sonhou com todo apaixonado. A face perfeita, o corpo muito bem moldado, onde poderia ver-se o trabalho na academia de ginástica, pintura discreta, era a mulher apaixonante.
Tinha uma companheira, agora inexpressiva. Três anos de convivência amorosos intensa, agora ameaçados pela estranha presença. É comum isso.
Não era um experimentado com este tipo de conquista, que iniciou mal.
Na sua mente, só pensava em vê-la o mais breve possível. Sonhava com o rosto lindo, a pele parecendo com a dum bebê, as pernas maravilhosas. Não deu ouvidos a Zélia, uma colega e amiga de anos. “Cuidado com esta! É carreirista”.
O jornal continua aberto, sem ser lido. A paisagem maravilhosa permanece.
O que não sabe, desconhece completamente, é que sua apaixonada passa em lugares distintos, como Búzios, Angra e hotéis de alto luxo, no Rio de Janeiro mesmo, está em companhia do seu superior, do qual ele é assistente.

3 comentários:

Caio disse...

Grande Jorge,

o que os olhos não vêem "o coração não sente"... Certamente virá, pela frente, a crônica do dia da "descoberta" que o que parece não é, e o que é, não parece. Pode terminar em tango, se não partir para baile funk. Ficamos aguardando, expectantes, o desfecho.

Ana Maria disse...

Sonho levado pelo vento...

Parabéns, beijos.

Helena C de Araujo disse...

Fechar os olhos à realidade e contemplar os sonhos é sempre mágico...
E a vida parece sempre mais bela quando paixões acontecem...
Meu abraço.