quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Juventude

  Liceu 'Nilo Peçanha'











Ser moço, ainda adolescente, é muito confortável quando apenas se estuda.
Era o caso. Não necessitando trabalhar, fazia o seu curso ginasial, logo sucedido pelo complementar. Época que o secundário completo ainda era o ginasial, de quatro anos, e o científico ou clássico, de três.
O colégio era público e excelente, melhor do que qualquer outro particular.
Disciplina rígida sem ser ditatorial. Misto. Época que ainda não se conheciam os malefícios do cigarro. Todo maior de quatorze anos, desde que o pai, mãe ou responsável autorizasse na caderneta o uso do fumo, longas tragadas eram feitas, na hora do recreio. Nos intervalos entre uma e outra aula também. O banheiro era fumaça pura.
Professores rigorosos, alguns tidos como carrascos. Esta fama sempre a teve o lente de matemática. Mas qual! Muitos outros competiam com ele; alguns bem piores. Estaria certa esta política educacional? Nunca foi estudada. Mas no Rio, o “Pedro II”, o “La-Fayette” e o “Santo Inácio”, estes dois últimos particulares, formavam excelentes alunos.
Em Niterói, era o Liceu “Nilo Peçanha”, público e o mais rigoroso. Foi aonde ele fez o seu curso. Quem foi aluno, sente saudades. Educação de primeira linha. Mas acho uma coisa interessante. Começou a estudar francês no primeiro ano ginasial. Inglês, no segundo. Ou foi péssimo aluno, ou todos estes anos não valeram de nada.
Como a mãe falava com desembaraço o francês, aos cinco anos já sabia muita coisa, se é permitida a palavra.
Mas não é isto que quero dizer. Havia moças lindas, apaixonou-se perdidamente por diversas. Aconteceu o mesmo fato comigo, como era de esperar-se. Mas estava numa crise de paixão e não pude avaliar a linda moça que se declarou a mim. Perdão! Fui inclusive bastante mal-educado, disse que já tinha namorada. Mentira pura! A moça era linda...
Aos dezessete anos de idade, declarou sua vontade.
- Talvez – foi a resposta.
Talvez de mulher quer dizer nunca, neste caso. O que ele só veio a saber bem mais tarde.

8 comentários:

Mario Jorge disse...

Muito bonito! Ora é "ele", depois "eu". Conta a verdade, Jorge! Você e sua turma eram o terror do colégio. Deu saudade.
Abraço do Marito.

Luíza disse...

Muita saudade, Jorge. Um comentário apenas? É o fim de ano. Marito já descreveu você e seus amigos. Mas não falou das suas amiguinhas.
Vou voltar. Espera. Beijos.

Linda fotografia do Liceu. Foi você quem tirou?

Carlos Alberto Mendes disse...

Quando soube que havia escrito um livro, Jorge, imaginei que só poderia ser de terrorismo. Acertei em cheio! Parabéns, grande abraço.
Beto

Silvana Nunes .'. disse...

"Feliz aquele que transfere o que sabe, e aprende o que ensina."
Cora Coralina

ESPERANÇA

"Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenes
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
- ó delicioso vôo!
Será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança ...
E em torno dela indagará o povo:
- Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:

- O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA ...."

(Mário Quintana)

FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... está aqui para desejar para você um ano de 2010 de muita LUZ. Que nele você consiga realizar alguns de seus mais importantes propósitos.
E que DEUS ÑANDE RU continue nos abemçoando COM A SUA ETERNA MISERICÓRDIA pelo resto de nossas vidas. Agradeço sua presença em meu blog durante o ano de 2009 com seus comentários sempre muito carinhosos e relevantes. E como já é tradição em nossa cultura trago algimas simpatias para entrar o ano de bem com ele. BOA SORTE.
QUE SEJAMOS FELIZES.
FELIZ ANO NOVO ! QUE OS BONS VENTOS SOPREM SEMPRE A SEU FAVOR EM 2010 !
Saudações Florestais !
http://www.silnunesprof.blogspot.com

Caio Martins. disse...

Eitcha, seu Jorge inspirado da gota serena...

Teus amigos estão entregando o ouro, compadre... É paixão para ninguém botar defeito. Daquelas que, se não matam, fazem um bem danado ao coração...

Abração, amigo querido! E se prepara, temos muita pedra para empurrar ladeira acima neste ano.

Aline Patrícia disse...

Ah, as reminiscências da escola, sempre um prato cheio de boas aventuras que despertam nosso lado saudosista... Sinto muitas saudades da época do colégio, afinal é nesse ambiente que crescemos, aprendemos e descobrimos o quão complexas são as relações humanas. Beijos

Rosana disse...

Relembrei os tempos de colégio ao ler você. Saudades do Colégio Sion. Maluca, eu?? Não!! Adorava aquelas irmãs, aqueles professores, aquelas amigas...
Quanto ao ''talvez'' que ela disse digo-lhe que foi ótimo não ter insistido. Quero dizer que na dúvida fazemos muita besteira nesta vida.
Obrigada por me fazer sentir esta saudade tão boa. Beijo.

Nelma disse...

OI querido...adorei ler o que escreveu...nada, nada mesmo na minha vida e já se vão quase 68 anos foi mais importante do que o Liceu - estou escrevendo minhas memórias - quem as lerá? Nem filhos e netos, pq lá vivi a paixão pelos estudos, pelos colegas e pelo meu grande, eterno e definitivo amor. Quando vou lá é só colocar o pé dentro daquele casarão que as lágrimas escorrem e caem no chão. Um beijo grande.
P.S. reencontrei o amor e vivi 8 anos com ele conhecendo o céu e tbm espinhos após 19 anos de um casamento anterior.