domingo, 2 de maio de 2010

Matou sim

Fugindo


Consultório médico, mesa austera, um porta-retrato com a mulher e os filhos. Jaleco impecável, feições sérias. Nem moço, nem velho.
Do outro lado, fumando com a permissão do cura, um bem apessoado homem de negócios. Quais? Não vêm ao caso.
- Não foi estupro. É bom que o senhor entenda.
- Como não foi? E as marcas nos braços?
- Forçou no começo. Depois não.
- Não estou entendendo, doutor.
- Vai entender. Quando ele a jogou dentro do carro, foi com violência. Os braços ficaram marcados. Segurou muito firme.
- E daí? Todos sabem. Consta no boletim de ocorrência.
- Eu li o boletim. Espero que compreenda.
- Guerra de nervos?
- Nunca fiz isto, meu caro. Apenas quero dizer que a violência teve limites.
- Limites? E as equimoses, doutor? Não dizem nada?
- É o que estou querendo explicar. Posso continuar falando? Afinal minha obrigação é esta.
- Claro que pode!
- Pois eu lhe digo. Houve violência. No início. Depois ela concordou com tudo.
- Como?
- Concordou com tudo, como estou falando. Não há marcas de violência sexual. Foi examinada poucos após o ocorrido. Houve intensa lubrificação. O que era no começo uma violência sem limites, passou a ser aceito com muito prazer. Recolhemos o esperma, e junto dele veio grande parte de lubrificação vaginal.
Até hoje ele não tem arrependimento do que fez. Bateu muito. Expulsou de casa, sem ela ter sabido nunca os poucos mais de onze milhões de reais. Bancos estrangeiros, nem todos, guardam sigilo.

Hoje ela ainda se aproveita da beleza de outrora. Atende clientes Vips. Com hora marcada e preço caro.





9 comentários:

Caio Martins. disse...

Jorge, é leque aberto para quaisquer especulações, porém sempre formando um vendaval. Parece-me, no caso, com endereço certo. É o Mestre e seu estilo.

Roseli disse...

Jorge,

Obrigada pelo comentário no meu blog, me senti lisonjeada...Acabei de ler alguns de seus textos, realmente são muito bons...Parabéns!...Abraços....

Pedro Jorge disse...

Conheço o caso todo. Jorge,ao que parece, não se preocupou em esconder fatos conhecidos.
A mulher é uma conhecida e famosa ex-modelo.

Genny Xavier disse...

Olá, Jorge
Sua prosa possui um delicioso senso de humor diante do olhar atento voltado para o cotidiano nosso de cada dia...
Um abraço,
Genny.

P.S. Retorne sempre ao "baú"...obrigado pelo visita.

Livinha disse...

Haverá o retorno. Nada passa despercebido nas leis de causa e efeito. O tempo é o nosso mestre.

Jorge agradecendo sua visita
em meu espaço, nas palavras deixada
com teu carinho e apreço.
Volte sempre!

Bjs
Livinha

Ana Lucia Franco disse...

Jorge,

Surpreendente. Daquelas leituras magnéticas e envolventes.

abrs!

Simplesmente Malu! disse...

Jorge
Vc tem a mesma linha do grande Nelson Rodrigues nas crônicas do cotidiano.
Deveria escrever um livro assim.
Parabéns, me prendeu do começo ao fim.

Xi...Rimou! Hehehe...

b disse...

A alma das mulheres...sorte que nunca estão no mesmo lugar do corpo, geralmente não, é raro que estejam...

Anônimo disse...

Como sempre Jorge ler você é surpreendente..
Bjus.....Marcia