domingo, 5 de agosto de 2012

Queijos e vinhos



                                             Queijos e vinhos

            Certos dias são próprios para uma reflexão mais acentuada, aqueles dias que o frio se faz presente sem muita intensidade, e a cidade está calma.
            Bem, hoje é domingo.  Já ajuda muito, estamos no inverno e o dia um pouco acinzentado.  Olho o verde do jardim, onde outras cores despontam.  Poucas flores, a estação não inspira telas expressionistas abstratas, talvez Pollock já estivesse bêbado, se vivo fosse.  Não sou apologista do álcool, mas certas ocasiões ele ajuda a ver um mundo mais colorido, ajuda mesmo!
            As nuvens, ora mais claras ou escuras, vão transformando as cores do jardim.  E então chove!  Dá uma sensação de maior intimismo, pensamos, pelo menos eu penso mais na existência, no momento, no viver e na finitude de tudo isto.  É normal, nestes dias.
            Deste pensamento não necessariamente depressivo, mas real na Vida, pula-se, não se sabe como, para a grandeza da mesma.  É coisa demais, espanta-me mesmo estar escrevendo, usando um aparelho que o mundo todo já se habituou, o computador.  Olho maravilhado para minhas mãos, não por outro motivo de serem parte de um corpo que também ninguém explica a existência neste mundo que parece não ter fim.
            Domingo... Vinho tinto seco, gorgonzola, tomate, pão, azeite e tabule, enquanto Charlie Parker toca magistralmente bem Summertime, de George Gershwin, eu fico com a certeza de que tudo está bem, a Terra segue na sua órbita elíptica em torno do Sol... 

12 comentários:

Mardilê Friedrich Fabre disse...

Oi, amigo Jorge, quando deixas o lirismo falar, és praticamente insuperável. Abrs. Mardilê

Nadir Donofrio disse...

Caro escritor, Jorge!
Se o domingo é para descanso, é para reflexão também, sem dúvida alguma!
A maioria das pessoas labutando, a semana todinha vive a ansiedade
do esperado final de semana!
Porém poucos repousam realmente, ao contrário cansam-se, de modo diferente. No entanto seria boa e necessária essa pausa, onde o ser, possa ter a oportunidade de observar, pequenas coisas ao seu redor e, que passam desapercebidas no decorrer dos dias.
Porém junto, a visão da chuva, sabor de um bom vinho, acompanhamentos, acordes de Summentime de George Gershwin, ai... o domingo está completo!
Gostei de ler sua crônica!
Tenha uma feliz semana.
Nadir

Caio Martins disse...

Meu caro Jorge Sader, a Vida circula em raras e mágicas órbitas... inclusive pelas mãos antigas que, num domingo de outono, acariciam - com fundo musical de Gerschwin e acompanhamento de oferendas como vinhos e queijos - o moderno teclado de um PC.
Saúde, Mestre Escriba! Que os deuses o inspirem eternamente!

lino disse...

Eu também prefiro o tinto, embora hoje seja o Dia Internacional da Cerveja!
Abraço

Célia Rangel disse...

Não importa o tempo lá fora... mas, sim a primavera brotando na intimidade de um bom vinho e trilha sonora... Um "time" domingueiro que a alma agradece e, reenergiza-se para nova batalha semanal! Belo aperitivo para a mesma!
[ ] Célia.

Carmem Velloso disse...

Ah, Jorge! Que reflexões ricas.
Lindo texto, meu amigo.

Bjs. Carmem

Anderson Fabiano disse...

Jorjão, pegou pesado!

Dia cinzento, chuvinha meia boca, domingo preguiçoso, vinho tinto, queijinho e Charlie Parker? Deus de Israel! Onde fica sua casa, parceirinho? rsss

Belo texto, camarada!

Essa ideia vale para segundas chuvosas também? Ou isso seria classificado como vagabundagem?

Meu carinho,

Anderson Fabiano

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Amigo Jorge,

Vejo nas manhãs de domingo esta magia, este encaixe de seres e coisas, de tudo dentro dos eixos e órbitas. Mas depois do meio dia, já começa um outro e estranho astral... mas essa é uma impressão subjetiva. Seu texto é ótimo! Abraços.

Rita Lavoyer disse...

Então, estou aqui, teclando com os meus dedos ( curioso, agora olho para os meus dedos teclando uma mensagem para o Jorge...)
Hoje, terça-feira, lendo uma postagem de domingo. Retornei ao domingo, aquele domingo que o Jorge quis dividir comigo. Compartilho hoje, terça-feira, aquele domingo tão hoje em mim, tão do Jorge, tão dividido e compartilhado agora, neste instante de leitura, sem vinho, sem queijo ao meu lado, mas com os sabores engolidos pelos meus olhos nas letras servidas a mim pelo Jorge. Bom domingos este, o meu de agora!

Maria Luzia Fronteira disse...

...è sempre bom my friend aproveitar o tempo da melhor forma...aquela que "achamos ser a melhor para nós"...uma boa comida, um bom, vinho, um bom queijo, uma boa música, são boas sugestões para um dia de lazer.
Parabéns pelo texto!
Abraços
Manuela

marcia disse...

Jorge,um domingo,Summertime,vinho,saudades..Dia inesquecível........bjus

Espelho disse...

Que texto! Que domingo, tão somente de Jorge, e que ele distribui aos amigos! E como diz, Rita - e que gostei muito de suas palavras!... E como eu tb regozijo os seus sabores, Jorge, o seu gosto salutar pelo que é belo e saudável! Apraz-me estar num belo dia de Domingo em sua companhia, em um doce lar, e tendo um doce sonhar - em um dia intenso reflexivo ao sabor de vinho e queijo de sabor acre, muito delicioso! Adoro delirar com as suas reais e imaginárias reflexões descritivas!...
Adoro vc, amigo! Mel