quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Tem tempo, ainda que em rima pobre

                              
 
Ah, sim!  Tem tempo!
Tempo para rir, tempo para banhar-se em lágrimas, pensar que tudo acabou, quando nem mesmo começou.  Tem tempo!
Tempo para a velha jeans, o tênis gasto e confortável, a camisa de malha, as meias de algodão.  Sim, tem tempo.  Tem tempo de dizer palavrão, amaldiçoar, ficar raivoso e depois tudo passar...
A Vida não é uma ferida!  Trate bem dela, cuide com carinho, encontre o seu ninho, aquele que aconchega, tem calor, alma e com sorte, vinho!  Não é difícil achar, nem mesmo muito procurar.  São precisos olhos para enxergar!  Vai ver coisas más, elas existem, não há como evitar.  Prazeres?  Estão por toda parte, basta encontrar.
A Vida é interessante.  E exigente!  Exige atenção da gente.  Exige tino, sabedoria sem ser sábio, aquela comum a todos os homens.  Existe sim!  Existe a miséria humana, a que não acabará jamais, mas que caminha com a glória, o ato de grandeza, o que a todos junta numa só mesa.  É delírio?    Acaso é delirar sonhos que vivemos ou estão no porvir?  Nunca!  Viver é procurar, errar e encontrar, não desistir.  Procurar tudo, o ar que se respira, o alimento que nos sustenta, o amor que nos dá sentido.  O que não pode é parar!  O riso alegre com os amigos, o brinde com quem faz parte da gente.
Tempo de ao acordar, o café cheiroso, gostoso, preparar e assim iniciar nosso dia.  Quais serão as surpresas?  Não sei adivinhar, podem, inclusive, não chegar.    O que é o correto diante tantas incertezas?  A gente nunca sabe.  Podem ser boas, podem ser más.
Assim, nesta vida incerta e não sabida, vamos tocando para a frente, não se pode parar, o trem vai passar e os desprevenidos vão ficar.  Ficar no mesmo lugar, sem nada modificar e, no infinitivo presente, ficar sem lastimar!   
 

12 comentários:

Raquel Ordones disse...

lendo você...belo e reflexivo texto!!!

Célia Rangel disse...

E, como curto o meu tempo!
Tempo de amanhecer...
Tempo de olhar azul o dia lindo...
Tempo de colorir de rubro o vinho do amor...
Tempo para aconchegar e amar...
Tempo para ler... falar... produzir...
Tenho tempo... todo tempo que a vida me oferece...
Bela sua crônica da Vida pela Vida!
Abraço.

Caio Martins disse...

Se me permitir, caro Mestre Jorge, assino junto. Perfeito! Na forma leve, no conteúdo intenso! Forte abraço!

Rita Lavoyer disse...

Rima pobre? Pobre é quem tem tudo isso que relata na sua prosa poética e não agradecer nadinha.
Abração, Jorge.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Tempo, esse recurso não renovável. Compositor de destinos, tambor de todos os ritmos - como diria o famosíssimo baiano. Muito bom, Jorge.

Ana Bailune disse...

E no fim, todo mundo vaio no mesmo trem. Até quem pensou que poderia ficar.

Carmem Velloso disse...

Jorge, ficou ótima a sua prosa poética.
Fez bem em guardar as pistolas, impróprias para o momento.
Beijo
Carmem

Gil Façanha disse...

Sim...um texto bem reflexivo realmente. O tempo...a vida... duas coisas que nao podemos deixar passar em vão e que sabem bem cobrar seu preço . Devem ser muito bem aproveitados.

Tais Luso disse...

Meu amigo Jorge, como nos perdemos no tempo e como perdemos tempo! E só na soma de bons anos é que nos damos conta o quanto perdemos de tempo com picuinhas.

Da poeta Nadine Stair, deixo um fragmento de seu poema Instantes:

(...) Se eu pudesse viver novamente minha vida,
na próxima, trataria de cometer mais erros.
Não tentaria ser tão perfeito, relaxaria mais,
seria mais tolo ainda do que tenho sido,
na verdade, bem poucas coisas levaria a sério.

Abraço gaúcho!

marcia disse...

Tem razão, apesar do tempo implacável moldar nossos momentos à sua vontade...Bjus

Celso Panza disse...

"Há tempo de ficar triste e tempo de se alegrar; tempo de chorar e tempo de dançar; tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntá-las; tempo de abraçar e tempo de afastar. Há tempo de procurar e tempo de perder; tempo de economizar e tempo de desperdiçar; tempo de rasgar e tempo de remendar; tempo de ficar calado e tempo de falar. Há tempo de amar e de odiar; tempo de guerra e tempo de paz.". Eclesiastes
Celso.

Mardilê Friedrich Fabre disse...

Perfeita definição de vida: Viver é procurar, errar e encontrar, não desistir. Abrs