sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Beleza e Amor

Rosa amarela














Mês de agosto, terminando. O último para poda de árvores e plantas, que obedecem à regra do corte: só em mês sem ‘r’.
O homem, já de idade, mas sem ser velho, cortava com alicate amolado, próprio para jardinagem, roseiras que estavam num canteiro de muitas folhas.
Os que entendem, dizem ser um erro. A soberana roseira é exibida; não gosta de matos e folhagens ao seu lado. Eram quatro. Foram cortadas com cuidado, mas já eram visíveis os sinais de decadência. Ficaram apenas com dez centímetros, aproximadamente.
O terreno foi afofado e adubado. Mas uma exuberante folhagem, que não era nunca mexida, permaneceu.
Um galho da poda foi plantado numa área mais limpa. Na semana seguinte, o marrou escuro que coloria sua extremidade passou a verde claro. Estava dado o sinal de que a mão que o plantou tinha intimidade com a Vida.
Em pouco tempo, como ainda é agora, transformou-se num sadio vegetal, caule sem compromisso e folhas que prometiam. Entrou a Primavera, e com apenas um ano a hoje solitária roseira abriu um botão que ainda não deve ser colhido. Amarelo.
Beleza e Amor. É onde mora Deus, na natureza e nos homens.
Não consigo entender de forma diferente.

14 comentários:

Maria Barros disse...

Belíssimo texto Jorge! A força da natureza mostra o quanto tem Deus em toda sua beleza! E ainda existem pessoas que não acreditam em Deus e é tão fácil vê-lo! Não existe nada sem que as mãos de Deus tenha planejado! Pena que muitas vezes o homem tenha que estragar quase tudo e depois pergunta "onde está Deus que não vê isso?" "Um Deus que faz isso ou aquilo"... Pobre coitados! É de dar pena!
Ainda bem que Deus já olhou seu texto e fica feliz qdo alguém fala de suas belezas!

PARABÉNS!

Beijos

Aline Capistrano disse...

Olá lindo seu texto adorei, tudo tem um tempo certo, na natureza e no ser humano.

Abraços.

Anônimo disse...

Texto belo e singelo como uma flor. Deus te abençoe, jardineiro Jorge. Abraços.

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Texto belo e singelo como uma flor. Deus te abençoe, jardineiro Jorge. Abraços.

ΛмeвΛ disse...

Intenso e lindo!

Prazer, ΛмeвΛ!

Aline Patrícia disse...

Lindo, Jorge...
Confesso que nem sabia da "regra" para a poda das plantas. Quando com tinha mais tempo, mantive um jardim na entrada de casa, lá eu passava minhas tardes, limpando, entregue ao prazer de mexer na terra e ver as plantinhas cada vez mais viçosas. Certamente, a tranquilidade e a beleza que alcançamos nesse contato são a prova da grandiosidade de Deus enquanto arquiteto deste mundo...

Beijo :)

Ira Buscacio disse...

Jorge, querido!

Que belo texto anuciando a primavera. Eu admiro que tem mãos de jardineiro, mas o fato é que, somente, e mais ninguém que Deus sabe como plantar a natureza.

Bjs e bom fds

Rita Lavoyer disse...

Amém! Conseguiu expressar o abstrato mais concreto que gosto de sentir: Deus.
E que a primavera nos louve.
Grande abraço, Jorge!

Barbara disse...

Que belo entendimento!
E em forma, textura e cor a rosa sugere tantas outras supremacias, não é Jorge?

Ana Maria Pupato disse...

Eu desobedeci essa regra, apesar de conhecê-la e podei minhas roseiras em um dia mais frio. E também tenho rosas amarelas brotando. Está lindo o jardim! Você passou a emoção de quem gosta de cuidar da natureza e eu concordo que Deus mora na natureza. Suave, belo e terno! Adorei!
Beijos mil!!!!

Maria disse...

Adorei o sua narrativa. Que linda rosa, um presente da natureza pelas mãos de Deus.
"E provável que o Senhor tenha criado a esperança no mesmo dia em que criou a primavera." (Bern Williams)
Tenha um Domingo maravilhoso
Bjs do tamanho do infinito
Maria

Blogat disse...

A plenitude!
Beijo!

Caio Martins. disse...

É um privilégio, Grande Jorge, ser padrinho de uma rosa amarela...

As daqui estão surgindo festeiras, numa homenagem à vida. Vão dedicadas a você.

Abraços, Mestre.

Márcia Cristina Lio Magalhães disse...

"Beleza e Amor. É onde mora Deus, na natureza e nos homens..."

Intensa flor, brota em mim teu poema...

grande abraço amigo querido!