segunda-feira, 25 de abril de 2011

Folhas

















                                          Folhas
                            Tantas folhas espalhadas
                            Tantas folhas pelo chão.
                            Qual lágrimas derramadas
                            E todas elas em vão!

23 comentários:

Rita Lavoyer disse...

Caída no chão
a folha se espalha
levada pelo bilhete do vento.
Não alcanço.

Liège disse...

Belos versos, Jorge!
Sinto um cheiro de outono no ar...

Pastor alemão é muito inteligente, leal e carinhoso! Quando eu era criança, em minha casa havia duas e, na de meu avô, seis. Eu gostava de todos, mas percebia que cada cão tinha sua própria personalidade.
Um abraço e uma ótima semana para você.

Mardilê Friedrich Fabre disse...

OI Jorge, interessante analogia, "folhas pelo chão e lágrimas derradas". Abrs. Mardilê

Mari Amorim disse...

O outono,esperando a outra estação!
Boas energias,
Mari

lino disse...

Para mim, nada é em vão.
Abraço

Teresinha Oliveira disse...

Folha voa logo que algum ventinho empurra, e lágrima seca depressa. Você está certo.

Marcia disse...

Belos versos outonais...bjus

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Jorge, mesmo minimalista, é pleno no estilo e na sabedoria. Muito bom, poeta.

petuninha disse...

Os poemas e escritos de Jorge caminham sempre para a concisão. Quanto menos palavras usa, mais densifica o conteúdo. Esta síntese de pensamentos só se obtém mediante exercício. Exige do leitor paciência e sensibilidade perceptiva e imaginativa.Esta forma poética pouco declara, mas muito sugere.Cabe a quem lê recriar em si e concriar com o autor a mesma emoção estética.Poesias minimalistas são uma forma de terapia e reeducação do leitor massificado e automatizado da nossa agitada e consumista civilização.
Dizer muito, falando pouco! Parabéns! Beijos.

Fernanda disse...

Jorge, Parabéns pela arte visual e
escrita.Completam-se.
Muito sugestiva a imagem que completa a poesia!
Eu, viajando na tua trova:
Número1:-Folhas que são pétalas de rosa vermelha, que significa paixão. Lágrima vermelho-sangue sobre um livro semi-aberto. Um amor que não teve continuidade. Que dói e sangra.
Número 2:- Folhas de páginas escritas e pensadas ao escorrer de lágrimas, em vão.
Número 3:- Fragmentos de uma vida... Dói muito lembrar de uma paixão não concretizada. São como folhas de inverno, carregadas pelo vento.
Beijos da Fernanda.

Blogat disse...

LINDO!!

João Ludugero disse...

Boa tarde!
Se puder e tiver um tempo, passe lá no meu blog. Se gostar, me siga. Será um prazer ter sua visita e ver lá seus coments.
Muitas felicidades, hoje e sempre.
Mega abraço iluminado.
João.
www.ludugero.blogspot.com

lino disse...

Amigo Jorge:
Olhe que vale a pena conhecer o Alexei Bueno, um dos poetas brasileiros actuais mais importantes e incómodos.
Forte abraço

João Ludugero disse...

Prezado Amigo Jorge,
Boa tarde!
Vim aqui agradecer pela sua visita ao meu blog. Obrigado pelos comentários. Na verdade lhe digo, de certo, suas palavras, por mais simples e poucas, só vêm a calhar nesse momento, como um impulso a me fazer mais escrever. Ao que só tenho a lhe agradecer pela força, pelo carinho e apoio de suas palavras. Volte sempre. A casa será sempre sua. Seja bem-vindo e não precisa bater na porta. Ah, se puder, passe no meu blog todos os dias pois mantenho as postagens em dia, sempre atualizado e com coisas novas. Hiper abraço iluminado. João.

Eliana disse...

É muito bom entrar em um lugar, e só ver coisas bonitas... adorei entrar aqui. Dê uma passadinha no meu blog também, é simples mas estou amando fazer.

Tenha uma ótima noite.

http://palavrasqueabracam.blogspot.com/

Eliana disse...

Obrigada, te agradeci lá no meu blog também... depois passa pra ver rsrs.

Estou te seguindo, se possivel me siga.

Ótima noite!

Caio Martins disse...

Chorar é bom, Poeta. Há, realmente, um cheiro de outono no ar...

Abração.

Liège disse...

Estimado Jorge, sem dúvidas será um evento importante e que deverá influenciar bastante o mundo da moda e dos casamentos, além de ser comentado em todos os jornais e em diversos âmbitos. No entanto, confesso que as notícias do casamento real e de qualquer coisa relacionada com as monarquias não despertam muito meu interesse. Não é que eu tenha uma postura completamente antimonárquica, mas esse tipo de coisa não me causa nenhum encanto nem deslumbramento, entende?
Quando morei na Espanha, impressionava-me a empolgação com que as pessoas falavam da vida da família real espanhola. Parecia-me tão arcaico aquilo, como se ainda estivéssemos na Idade Média.
Mas tudo bem. Esta semana assistiremos ao casamento da Lady Kate, mas serão os ingleses quem poderão dizer "Tô pagano...". Hehe...
Beijos.

cristinasiqueira disse...

Muito belo.Singelo .Lindo.
Publiquei seu último comentário do blog cristinasiqueira aqui no jornal da terra na página Prisma .
Gosto dos poemas curtos e expressivos.Lindo!

Com carinho,

Cris

Eliana disse...

Estou passando pra te desejar, um ótimo fim de semana.

Márcia Sanchez Luz disse...

Jorge, tenho verdadeiro fascínio por folhas espalhadas pelo chão. Acho que é o que mais gosto no outono... E lágrimas nunca são em vão - no mínimo servem para hidratar os olhos, né não?

Aproveito para lhe parabenizar por mais um ano de vida. É amanhã...hehe!
Muita saúde, amor, luz e paz em seu caminho, amigo!

Beijos

Márcia

Ana Maria Pupato disse...

Muito emocionado, deixando escondido tantos sentimentos vividos e agora escoados para aliviar a alma.
Lindo e profundo!
Beijos mil!!!

Dr.Stanley disse...

folha é foda!
no primeiro ventinho, tchau!


pequenas canalhas!


(fora aquela do Adão!)


Carla manda beijos!