quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Petróleo



            Dizem os investidores e entendidos em negócios, que o primeiro deles é o petróleo; o segundo, o petróleo novamente, e o terceiro o petróleo mais uma vez.
            Pode-se imaginar que o fato não é uma brincadeira.  Bastar fazer uma avaliação de quantos veículos estão andando no mundo, neste exato momento.  Se não usam gasolina, o combustível é óleo diesel.  Ambos derivados do petróleo, o que mostra a veracidade da afirmação corriqueira no mundo dos negócios.
            Até bem pouco tempo, a Petrobras, resistindo aos desmandos na sua condução e cabide de empregos muito bem remunerados, além de ser a maior empresa brasileira, era também da América Latina.  Não é mais.  Internamente, a cerveja é mais importante, leia-se AmBev, e no nosso continente o petróleo ainda é o melhor negócio do mundo, nas mãos da Ecopetrol, empresa colombiana. 
            Até aí nada demais.  No mundo empresarial não se conhece a palavra estática, que pode ser confundida com morte na competição.  É o que podemos ver, num futuro nada distante, com a estatal brasileira de petróleo.  Nas mãos de um atual governo fraco e antes um bastante duvidoso, a Petrobras foi-se diluindo aos poucos.
            Com a descoberta de lençóis bastante grandes, foi anunciado que em pouco tempo o Brasil seria um exportador de óleo cru, além de país com perspectiva de alcançar nível de riqueza considerável.  Veio a realidade e mostrou o que o governo não disse: explorar este petróleo em águas muito profundas é muito difícil e caro, além de não possuirmos tecnologia para a empreitada.  Hoje corremos o risco de importarmos gasolina em expressiva quantidade.
            Ou seja, cerveja e chope estão garantidos até não sabemos quando, mas gasolina está assustando.  Tudo é possível no país do Carnaval...

12 comentários:

Célia Rangel disse...

Mestre Sader,
Combustível humano = cerveja e chope.
Combustível das máquinas= petróleo.
Tecnologia... brasileira? Pesadelo dos grandes, pois educação e aprendizado para tal passa longe das metas governamentais e da motivação para o aprendiz.
Consumir... Consumir... Até sumir! Seria o retorno a "tração animal"(?)... utilizado para designar que um animal conduz um veículo (carroça, carruagem, etc).

[ ] Célia.

Rita de Cássia Zuim Lavoyer disse...

Invertendo o problema: fabrica-se veículos movidos à cerveja e bota petróleo na garrafa.kkk

Tchau! Vou ali comprar uma gelada! Essa questão que você pontuou no seu texto me deixou de cabeça quente, preciso refrescá-la.
ABRAÇO!

Caio Martins disse...

Uh! Que alívio, Jorge! Pelo menos teremos manguaça! Abração!

Marco Bastos disse...

"Petróleo"
4 Comentários - Mostrar postagem original
Recolher comentários

1 – 4 de 4
Célia Rangel disse...
Mestre Sader,
Combustível humano = cerveja e chope.
Combustível das máquinas= petróleo.
Tecnologia... brasileira? Pesadelo dos grandes, pois educação e aprendizado para tal passa longe das metas governamentais e da motivação para o aprendiz.
Consumir... Consumir... Até sumir! Seria o retorno a "tração animal"(?)... utilizado para designar que um animal conduz um veículo (carroça, carruagem, etc).

[ ] Célia.

22 de novembro de 2012 15:18

Rita de Cássia Zuim Lavoyer disse...
Invertendo o problema: fabrica-se veículos movidos à cerveja e bota petróleo na garrafa.kkk

Tchau! Vou ali comprar uma gelada! Essa questão que você pontuou no seu texto me deixou de cabeça quente, preciso refrescá-la.
ABRAÇO!

22 de novembro de 2012 19:16

Caio Martins disse...
Uh! Que alívio, Jorge! Pelo menos teremos manguaça! Abração!

23 de novembro de 2012 01:07

Marco Bastos disse...
Prezado Jorge. Veja nesse vídeo a dimensão dos riscos que intuitivamente abordamos:
http://www.brasil.gov.br/sobre/economia/energia/petroleo-gas-natural-e-derivados/petroleo-e-derivados/print

O gigantismo dos projetos é altamente preocupante. Os financiamentos a esses investimento poderá impactar a Petrobrás e a economia do País.

Mais uma boa postagem que você realiza. abraços.

IDERVAL TENÓRIO disse...

Este é o país do inventa inventa, engana engana.
1-Superavitário em petróleo- importa-se gasolina de fora.
2-O Pais liquidou na conta do FMI, muita gente boa pensa que o pais pagou a divida externa
3-O real se valorizou em relação ao dólar,o povo pensa que é bom. A Dívida aumenta, não se exporta, entram os Chineses, os piratas e o diabo a quatro.
4-Ronaldinho Gaucho ganha a maior comenda da Academia Brasileira de Letras e lá estão os flamenguistas em peso .

É Professor Jorge- caneta , caneta para difundir as informações enquanto não se ressuscita censura.Iderval.

marcia disse...

Jorge,enquanto não fica resolvida essa questão,fico com a gelada...bjus

marcia disse...

Não posso sair sem falar do seu novo livro de Contos e Crônicas..A capa está maravilha e o contéudo..nota 1000 com certeza...

Carmem Velloso disse...

E o governo petista tem o cinismo de ser contra as privatizações.
Abs. Carmem

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Concordo com tudo, tim tim por tim tim. Saúde, Jorge. À nossa!

Jota Effe Esse disse...

Tudo, menos o fim da corrupção. Meu abraço.

Anderson Fabiano disse...

Jorjão,

Desde Monteiro Lobato que essa história de petróleo no Brasil é mal contada. O petróleo nunca foi "nosso" mas, "our".

Se um dia conseguirmos sentar num bom bar com uns chopes na frente, resolveremos esse problema. Pelo menos, a nosso nível. rss

Meu carinho,
Anderson Fabiano

strunfim disse...

Monteiro Lobato não lutou somente pelo petróleo, mas por todas as riquesas naturais. E ele tinha tanta vontade de publicar livros, criar uma grande editora, ficar rico, que o levou a jogar dinheiro do erário na bolsa de valores nos EUA. Com o estouro da bolsa perdeu todo dinheiro que era da "viúva". O nome disso é peculato.