sexta-feira, 12 de julho de 2013

O refúgio ficou pronto

                            

 
      Querida, depois de pensar com seriedade no trato que fizemos, quero que saiba das novidades.
Fiz em segredo, não anunciei a ninguém. A casa é pequena, muito bem bolada, você circula com facilidade incrível. Tem tudo, em apenas sessenta e quatro metros quadrados.
Paredes fortes, piso levantado de metro e meio, deixando lugar para um porão, que está isolado da parte principal, menos uma pequena parte, transformada num depósito que pode guardar qualquer coisa. Pé direito alto, para os dias quentes.
    Cozinha e banheiro independentes, lógico, mas com o mesmo sistema d’água. Não haverá problema; o encanamento é aparente, bem colado na parede e pintado de amarelo. Fiz o mesmo com a fiação elétrica. Por razão que me pareceu lógica, pintei de vermelho. Não precisa temer. O interior nada se parece com decoração da cidade no Carnaval.
    Sala muito espaçosa, mesa sólida, poltronas confortáveis. A estante não é grande, cabe o essencial. O espaço para o computador também não é grande, e fica junto do aparelho telefônico. O quarto é pequeno e tem uma grande janela, vemos toda a paisagem.
Quando ficou pronto, passei um fim de semana, para experimentar. Toalha xadrez vermelha na mesa, você sabe que gosto. Dois quadros. O meu, a abstração azul intensa, e o seu “Chegada de Outono”. Não levei nada para ler, tinha uma revisão e aproveitei a calma do lugar.
    Dias comuns, mas muito gostosos, especialmente por causa da temperatura, vinte graus. Acordava e comia uma pera, uma laranja, um pedaço que queijo branco com torrada e arrematava com um perfumado café quente. Dava uma caminhada depois. Não é preciso dizer que senti sua falta.
Meu almoço favorito. Bife enorme na chapa, sem nenhuma gordura que não fosse dele mesmo. Salada de tomates e palmito, arroz integral, que fiz na sexta-feira, durante a noite e foi até o domingo, sem nenhum problema. O tinto seco acompanhava sempre.
    Já falei muito. A casa está esperando você. Não demore.
    Beijo

____________________________________________________


Revisado e aumentado









13 comentários:

caio disse...

Hehê! Pergunta que não quer calar: e a moça foi?
Abração, Jorge!

Maria Coelho disse...

Que lindo ficou! Espere-me que já estou chegando rsss... Parabéns!

Rita Lavoyer disse...

Um poema em prosa que traz a imagem combinando com o tempo e o espaço a que se refere. Parabéns!

Célia Rangel disse...

Conhecendo uma vez mais o lado B do Jorge! Nota dez!
Abraço,
Célia.

Tais Luso disse...

Em apenas 64 metros vê-se um pequeno paraíso; o restante vai dentro da gente... Será o céu?
Ótimo!
Grande abraço!

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

E pra que mais? Ou melhor, nada mais além da requisitada - óbvio!
Muito bom, Jorge.

Marco Bastos disse...

Prezado Jorge. Outro dia comentávamos que um dos privilégios da segunda adolescência (rs) é dispor do tempo conforme a vontade. Estar em atividade noite a dentro é muito bom. Outro privilégio é esse de nos libertarmos da necessidade por grandes espaços. Seu refúgio está muito aconchegante, e é o que interessa. Aproveite bem. abraço.

cristinasiqueira disse...

Humnnn que moço sedutor,pleno de encantos,sem revisão...
Adorável *

Mardilê Friedrich Fabre disse...

Um sonho de casa. Eu quero uma igual. Posso plagiar? Abrs Mardilê

Ana Bailune disse...

Olá, Jorge. E que casa!!!

petuninha disse...

Olá, Jorge!
Que delícia de casa! Vc. projetou muito bem. Estou precisando de uma casa assim, porquê casa grande cansa-nos muito.
E vc. a descreveu numa prosa poética perfeita, leve como a casa!
Beijos

Jota Effe Esse disse...

Convite muito parecido com alguns que já fiz. Tenho motivos para crer que funcionou. A propósito, peço-te uma olhada no meu blog pra ver se podes me ajudar no problema que está apresentando. Meu abraço.

Anderson Fabiano disse...

Jorjão, como disse na versão anterior um convite irrecusável.

Você não para de ser cada vez melhor!

Parabéns, amigo.

meu carinho,
Anderson Fabiano