sexta-feira, 25 de junho de 2010

Festas Juninas

Festa junina














Carmo, é bom dia mesmo, acordei e vi sua mensagem.
E Viva São João! Não sei se você conhece nossos hábitos juninos.

Na véspera de São João e São Pedro, é costume juntar amigos e convidados e fazer uma festa, quase nunca na cidade por causa da fogueira que é feita.
O local é todo enfeitado com bandeiras pequenas, de papel colorido.
As vestes dos participantes são assemelhadas a dos camponeses, com exagero.
Botas surradas, camisa xadrez, chapéu de palha e muita disposição para encarar a festa que deve ir até o raiar do dia.
Comidas bem preparadas: arroz doce, broa de milho e a tradicional canjica.
Tudo isto sem falar nos petiscos. Pipoca, amendoim, cocadas. Bebida é o quentão, uma mistura de vinho quente com rapadura.
Batatas-doces e aipim são cozidas no calor da fogueira, enquanto os sanfoneiros e violeiros tocam músicas características.
Depois, como não poderia deixar de ser, paga-se caro pela brincadeira!
E os namoros? Muitos casamentos começam nas festas juninas. Pena que nas cidades as festas não são feitas, cidades grandes, porque nas pequenas têm sempre.

Gostei de saber da trova de autoria desconhecida. Os professores dizem sim, que ela possui as características portuguesas.
O Antonio Aleixo, nunca ouvira falar. Um poeta conhecido, analfabeto! Incrível! Gostei muito da trova composta por ele.

Até mais, querida amiga.
Carinhos,
Jorge



Resposta a um e-mail de amiga. onde fiz uma crônica sem perceber.

17 comentários:

Caio Martins. disse...

Grande Jorge, revivi as festas que fazíamos na vila com fogueira, balões, fogos, quentão e toda a comilança boa que mencionou... Eta tempinho bão...

Chica disse...

Maravilha de momentos nessa carta!Linda festa!abração,chica

ღPat.ღ disse...

Menino Jorge,
Adorei este post e fez-me recordar um tempo atrás onde estas festas tinham mais presença e valor.
Adorei viajar aqui neste tempo... a celebração é especial.

Beijos.

Sαbrinα Frehí disse...

Sinceramente, tenho vontade de viver essas festas juninas.. aqui em Brasília nao se tem muito.. :/

- Obrigada pelo seu comentario, sao os como o seu, que me motivam.

Obrigada e um bom final de semana .

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

Nessa troca de correspondência está toda a magia da transmissão da cultura da nossa vida.
E viva São João!

ღPat.ღ disse...

Que coisa Jorge, ninguém curte sopa de raízes.. ;)

Beijos.

Blogat disse...

Criada em casa de vila em Laranjeiras-RJ.Festas juninas com tudo que se tinha direito.Inclusive fogos e uma fogueira enorme!
Sua crônicas,Jorge,me fazem ficar saudosista...

Carmo Vasconcelos disse...

Boa noite, Jorge!
Com que prazer li estas "Festas Juninas"! Também foi muito agradável constatar como de uma amigável conversa, sai uma bela crónica.Olha, meu amigo:
As nossas tradições de Festas Populares não diferem muito. Se bem que, elas se mantendo, nós as vamos vendo com outros olhos. Talvez com os olhos da saudade, pois entusiasmos e brilhos vão tomando outras cores.
Por aqui em Portugal, o São João tem a sua expressão mais forte no Porto e redondezas, onde também é feriado municipal. Em Lisboa as festas maiores são as de Santo António, a 12/13 de Junho. São as marchas Populares representativas de todos os bairros alfacinhas, os arraiais e bailaricos, as fogueiras, a sardinha assada, a broa de milho, a febra na brasa com bom vinho português e os doces característicos. Mesmo sendo grandes cidades, Lisboa e Porto, ainda mantêm o costume. Aqui em Lisboa, centrado hoje apenas em bairros como Alfama e Bairro Alto. Mas a minha saudade vem do tempo em que a minha rua (como quase todas) era o palco da nossa alegria juvenil e ingénua. Enfeitada de balões e bandeiras coloridas, com seus quiosques de guloseimas e as bandas ao vivo que não paravam de tocar a noite toda. Cheia de cheiros e sabores inesquecíveis. E aquela expressão "a menina dança?", que esperávamos alegremente ansiosas, levavam muitas vezes a namoricos que, alguns, se prolongariam vida fora. Enfim, creio que as nossas tradições se assemelham, levadas e trazidas no tempo.
Obrigada Jorge, é sempre gostoso te ler, aprender e/ou recordar.
Carinhos meus
Carmo
http://carmovasconcelos.spaces.live.com

Pedro Jorge disse...

Nostalgia! Era moço, e frequentei muitos anos estas festas, no pátio do maior colégio ds minha cidade.
Hoje tem muita gente que não sabe nem as datas.
Abraço, amigo Jorge.

cristal de uma mulher disse...

Jorge bonita é tua presença em meu espaço. Alí onde me disolvo de amor e cores.
Eu li muitos textos teu aqui e gostei quando falaste *escrevo por gosto*que maravilha sentir tua humildade. Quanto as festas juninas eu volto a ser criança..aaa ...como era bom ,foguerras papai ,mamãe irmãos,nada como viver este passado junto ao presente.

Um grande abraço e quero que volte sempre . Obrigada

Aline Patrícia disse...

Assim mesmo que é...
Creio que posso dizer que sou uma felizarda, agora mesmo estamos comemorando a véspera de São Pedro aqui em casa, fogueira, quadrilha, muito milho e derivados fechamos a rua e a vizinhança tá toda por aqui. Não tenho mais 05 anos, mas admito que meus olhos ainda brilham com esses ritos tradicionais.

Tô sumida, né?
Férias chegando, logo corrigirei essa falta.
Beijo :)

Simone Aline disse...

Vindo retribuir o carinho deixado em Meu Cantinho e já chego numa festa como essa...rsrs Festas juninas tradicionais assim são maravilhosas! A família de papai é toda de Pernambuco, onde o "São João" ainda acontece dessa forma... e as fogueiras são acesas às 18 horas, como manda a tradição... Esse ano trocaram o feriado de Corpus Christi pelo dia 29/06!!! Carinho mais que especial com o "povo lá de cima"...rsrsrs
Grande beijo, amigo! Adorei a crônica inesperada!

Miss Yang disse...

Gostei de receber teu comentário, me alegrou saber que desperto interesse, zté mesmo quando estou liberando meus demônios...
apareça sempre!
um abraço
Miss Yang

Mari Amorim disse...

Jorge,
que troca de energia maravilhosa!
fiquei aqui lendo sua crônica,e revivendo minha infância,onde a festa junina era como você descreveu,só faltou o gengibre no quentão,e o cuscuz paulista.Obrigada,querido por tão bela lembrança,obrigada tb por tão amável visita e comentário.Estou seguindo teu blog para não perdê-lo de vista.
Boas energias,
Mari

Luiza disse...

Obrigada pelo carinho em sua visita à minha página Jorge... gostei muito deste post, me fez recordar boas lenbranças, bons tempos... estou te seguindo e passarei sempre por aqui...

Beijo

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através do "Entre Aspas". Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

Liège disse...

Olá, Jorge. Gostei de seu texto sobre as festas juninas e da fotografia.
Fiquei feliz por saber que você costuma ir a Barra do Piraí! Confesso que não conheço a Fazenda Santanna, mas sei o lugar onde fica.
Também gosto do quentão de vinho, mas uma dose pequena de uma boa cachaça não é só para cangaceiros.
Um abraço.