segunda-feira, 9 de maio de 2011

Fortunas















                                                    Fortunas

            Abro um site e vejo a notícia: Antonio Luiz Seabra e Lily Safra ainda figuram como na lista dos mais ricos da Inglaterra.
            E eu com isso?  Vai mudar a minha vida em quê?  No duro, no duro mesmo não muda nem a deles.  Dinheiro que serve é o suficiente para viver-se bem.  O resto é o resto.
            Lembro de uma frase do filme “The Godfather”, o excelente “O Poderoso Chefão”, onde Marlon Brando ensinou ao mundo o que é ser ator.  “Atrás de uma grande fortuna sempre há um crime”, que todos julgaram de Mario Puzzo, autor do livro que deu origem à obra prima do cinema.
            Engano.  Esta frase é do escritor francês Honoré de Balzac, e traz sempre controvérsia.  Alguns dizem que é absolutamente verdadeira, outros negam.  Mas parece que tem seu fundamento.  A própria Inglaterra enriqueceu com a pilhagem nas colônias e no mar. Grande parte de países europeus, mesma coisa, excetuando o corso e a pirataria, esta hoje com sentido bem mais amplo, e nem por isso menos criminosa.
            Fico imaginando morar numa mansão ou palácio, com toda a mordomia possível.  Empregados diversos, capazes e fiéis.  Cozinheiros.  Motoristas, carros na garagem.  Amplo gramado dominando a frente da residência, com dois acessos, pela direita e pela esquerda.
            Sinceramente.  Passar duas semanas de férias deve ser bom.  A vida inteira, uma chatura das maiores.
            E vou parando de falar em futilidades.

16 comentários:

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Dinheiro, pra que dinheiro?? Como você se define em seu perfil, "a cada dia, um grão de arroz a mais". E basta. Parabéns, Jorge.

Mardilê Friedrich Fabre disse...

É o dinheiro que me serve. Sempre que vejo fotos de pessoas muito ricas, elas estão protegidas por guarda-costas. Penso que não são livres para irem onde querem e que esse é o preço que pagam pelo dinheiro que têm. Não quero isso pra mim. Abrs. Mardilê

Mari Amorim disse...

até pq,amigo Jorge,quando (se é que vamos)para o andar de cima,não o levamos!
Desejo a você uma excelente semana!
Boas energias,sempre!
Um abraço em seu coração.
Mari

lino disse...

Como disse o grande campeão de pesos-pesados Joe Louis, "o dinheiro não traz a felicidade, mas
lá que ajuda, ajuda".
Abraço

Espelho disse...

Como vc mesmo diz Poeta\Cronista, vou parar de falar futilidades.
É vero, o dinheiro serve apenas para viver bem. Nem pouco e nem muito, equilibradamente, que dê para pagar as contas do viver, porque até para morrer temos de estar apostos com o dinheiro no caixa. E olha que a morte nos pega de surpresa, ninguém é avisado. Então, temos de pagar nossas contas. Temos de criar uma criança que alguém, sem noção, a colocou no mundo e saiu debaixo. Deixou um coração machucado... Mas, aí chega alguém com consciência e o trata bem. Tem o dinheiro honesto e educa o menor que se torna um homem ou uma mulher de bem.
Muito bom o seu texto!

Espelho disse...

Como vc mesmo diz Poeta\Cronista, vou parar de falar futilidades.
É vero, o dinheiro serve apenas para viver bem. Nem pouco e nem muito, equilibradamente, que dê para pagar as contas do viver, porque até para morrer temos de estar apostos com o dinheiro no caixa. E olha que a morte nos pega de surpresa, ninguém é avisado. Então, temos de pagar nossas contas. Temos de criar uma criança que alguém, sem noção, a colocou no mundo e saiu debaixo. Deixou um coração machucado... Mas, aí chega alguém com consciência e o trata bem. Tem o dinheiro honesto e educa o menor que se torna um homem ou uma mulher de bem.
Muito bom o seu texto!

Aline Pati disse...

Engenhoso isso de harmonizar, numa breve crônica, a reflexão sobre o que nos é realmente necessário em tempos de tanta ambição com a informatividade trazida na referência que envolve um filme e um autor tão renomados!

Abraço, Pati.

Blogat disse...

Futilidade rima com utilidade...BJ!

petuninha disse...

Querido Jorge! Parabéns por mais este excelente artigo. Se for esmiuçar, dá um grande compendio.
O ditado popular: ""caixão não tem gaveta"" resume muita coisa.
O dinheiro, pode ser muito bom ou muito mau, depende...
Sem dúvida que ele amplia a vida em todos os seus aspectos, se bem administrado.
Concordo inteiramente com você, suas ponderações são sábias. O necessário para se viver bem! Nunca fortunas, porque estas podem tirar toda a paz.

Marcia disse...

Qualquer coisa em excesso causa problema.....bjus

Rita Lavoyer disse...

Sinceramente, eu nunca provei o excesso. Por aqui anda sempre faltando. Mas eu gostaria que sobrasse um pouco e agradeceria muito também.

miriam panighel carvalho disse...

Concordo plenamente com você, Jorge. Dinheiro é bom na dose certa. Se muito, não há sossego para desfrutar dele e, o que mais importa: DA VIDA COM SIMPLICIDADE;
se pouco, também não dá para grandes desfrutes, já que viajar é muito bom (nem que seja pelo Brasil, o que já é excelente...)Para mim, uma praiazinha estaria mais do que ótimo, rss. Resumindo: Não foi à toa que Deus fez o "meio termo"...

Caio Martins disse...

Pois é, seu Jorge... verdade verdadeira! Os socialistas românticos diziam que "de cada um conforme sua capacidade, a cada qual conforme sua necessidade"; os modernos, vigentes, inventaram cuecão, mensalão, meião e quejandos e tome fazer fortunas... E o povão gosta!
Abraços.

Eliana disse...

Oi, ganhei um selinho... ainda não entendo muito disso rsrs... só sei que é maravilhoso ser lembrada e adorei! Entre as regras, tinha que indicar 10 blogs. E com imenso prazer indiquei o seu. Tá lá no meu blog e é seu também! Tenha uma ótima noite.

Eliana disse...

Deixei um recadinho pra você lá, obrigada pela atenção.

Vaninha disse...

Jorge, meu caro! Como sempre, me deparo aqui com uma crônica muitíssimo bem escrita e com uma reflexão bem pertinente. De fato, ter dinheiro demais é problema... Beijos.