sábado, 28 de maio de 2011

Solidão - Dueto Jorge e Hilde

           Solidão

Que solidão é esta,
Que às vezes me bota tão triste
Não adianta carinho ou festa,
Quando sei que nada existe.

Parece, não tenho certeza,
Que tudo é ilusório,
Nem reza nem oratório;
Levou-os a correnteza.
Nesta vida malvada,
Sem deus, santo ou nada
Flui a vida desgraçada
Profana e não sagrada.

Sem sair desta ingrata,
Fico sem mesmo saber
Estou perdido na mata
E tento sobreviver!     -   Santa Rita Durão

Não é dele não?
Então é meu mesmo, irmão!

14 comentários:

Rita Lavoyer disse...

E agora, de quem é a autoria? Dos poetas que cantam chorando, ou da alma que ri em agonia? É deles, como também da Rita, que Santa só o Durão.
Ame e chore. Salve, mas jamais amém!

Espelho disse...

Solidão, um estado de abandono de si mesmo, nada presta. Mas, solidão para um repensar de si mesmo é valiosíssima... Após estado de auto conhecimento o sujeito estará apto para fazer companhia até a um Anjo, que tem escala maior que a sua! Pois sabe de si e de todos...
Parabéns ao dois Poetas de 'Solidão'O duo ficou lindo no vídeo, bom trabalho, Jorge!
Um abração
Mel Racional como Espelho

Mardilê Friedrich Fabre disse...

Jorge, muito bom este dueto. Tu e Hilde estão de parabéns. A solidão é um sentimento ou estado de espírito comum entre as pessoas, mas verbalizá-la com propriedade é difícil, e vocês o conseguiram, de tal sorte que a pessoa que fez o vídeo interpretou muito bem o poema, o que se nota pela escolha da música e das imagens. Abrs Mardilê

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Belo dueto, belo poema, belo vídeo. Parabéns a ambos pela lavra primorosa. Abraços.

lino disse...

A solidão não é solução para os problemas humanos.
Abraço

Teresinha Oliveira disse...

Muito bom, aliás como sempre.

Marcia disse...

Seu poema só, já é lindo em dueto e vídeo ficou maravilha!....bjus

petuninha disse...

Estes estados de solidão e de tristeza são próprios de nós, seres humanos. Será que as árvores não sentem algo semelhante no inverno, quando caem-lhes as folhas e as flores, para alegrarem-se novamente quando volta a primavera?
Será que existe algum ser humano que nunca passou por estes estados, que são um reclame de alguém que vive dentro de nós e que quer nossa atenção? Os poetas conseguem expressar os sentimentos que afloram nestes momentos? Jorge exprimiu muito bem nestes versos.
No dueto, os poetas Jorge e Hilde
descreveram este sentimento chamado solidão por meio da visão
e emoção estéticas de ambos.
Parabéns e beijos aos dois,

Aline Patrícia disse...

Conheço bem a solidão, desde as suas facetas mais tristes até as mais inspiradoras....
Sensacional, vcs dois são realmente incríveis, têm meu carinho e minha admiração!

Pati. :)

Caio Martins disse...

Belo dueto, Jorge e Hilde... Que a parceria prospere e floresça, dizendo que se

"Solidão é lava
Que cobre tudo
Amargura em minha boca
Sorri seus dentes de chumbo..."
(Paulinho da Viola),

mesmo quando a maré rebenta,

"E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho"
Vinicius de Moraes,

há um parceiro, um amigo, uma pessoa amada que chega e faz um cafuné... ou escreve poemas como este. Dá no mesmo.

Caio Martins disse...

Belo dueto, Jorge e Hilde... Que a parceria prospere e floresça, dizendo que se

"Solidão é lava
Que cobre tudo
Amargura em minha boca
Sorri seus dentes de chumbo..."
(Paulinho da Viola),

mesmo se a maré rebenta,

"E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho"
(Vinicius de Moraes),

há um parceiro, um amigo, uma pessoa amada que chega e faz um cafuné... ou escreve, junto, poemas como este. Dá no mesmo.

Eliana do Palavras que abraçam! disse...

Oi Jorge, que poema lindo, que video maravilhoso. Mais uma vez... PARABÉNS!!! Estava sentindo falta de ler você, e outros gigantes poetas que me seguem. Pois, meu blog está com problemas. Já melhorou um pouco, espero que melhore totalmente.

Fica com Deus, tenha um ótimo dia!!! Apareça!

Tais Luso disse...

Olá, Jorge, não sei porque os poemas tristes são os mais belos; aí que se vê que na tristeza pode haver beleza. Pelo menos em versos!

Linda esta postagem, parabéns duplo.
Um beijo
Tais Luso

Efigênia Coutinho disse...

Jorge Sader Filho, seus versos SOLIDÃO, em dueto, são magnificos, um tema do qual gosto de versar, pois para cada um ela tem um significado diferenciado do sentir!
PARABÉNS!

Uma estrofe de uns versos meus sobre SOLIDÃO

Somente na Solidão a mente pode perceber a beleza a
magnificência de todos os nossos sentimentos, e o
aprimoramento da nossa existência aqui na terra, para
podermos alcançar o estado superior da "plenitude".

EFIGÊNIA cOUTINHO