quinta-feira, 14 de junho de 2012

Sobral Pinto














Sobral Pinto

Heráclito Fontoura Sobral Pinto talvez tenha sido o maior advogado brasileiro, superando mesmo o próprio Rui Barbosa.
Na época do regime militar, defendeu muitos acusados de subversão. Tive o prazer de cumprimentá-lo na Primeira Auditoria do Exército, lá pelas bandas da Praça da República.
Homem sério, advogado brilhante, orador com a voz fraca em virtude da idade, mas nem por isso embaçada pela falta do brilho, Sobral era católico fervoroso, que comungava todos os dias na primeira missa que era rezada perto da sua casa.
Certa ocasião, um oficial-general teve a infelicidade de chamá-lo “comunista”, tal o número que ele defendia. Resposta imediata do mestre:
- Comunista é a puta que o pariu.
Não foi preso nem processado. Ficou por isto mesmo, comprovando o ditado que o povo gosta de usar: “quem fala o que quer, escuta o que não quer”. Mais. Sobral era extremamente educado e o palavrão não fazia parte da sua fala diária.


OOO

Mais uma de Sobral

Durante o regime militar, Sobral foi 'preso' algumas vezes.
Digo 'preso', mas a palavra certa é constrangido pelos militares a dar um depoimento, coisa que o valha. Contra ele mesmo, nada.
Muito bem. Depois de ter sido carregado à força, de pijama, para prestar um destes depoimentos, quando o fato surgiu nas manchetes foi um escândalo. O velho jurista tinha mais de setenta anos, e era o maior advogado do Brasil.
O presidente era Costa e Silva. Queria ter uma conversa particular com Sobral Pinto.
Escolheram um coronel do Exército, homem esclarecido e educado para cumprir a missão.
Tocaram a campainha. Sobral demorou um pouco. Tocaram outra vez. E lá apareceu, com um livro na mão e de pijama, o advogado famoso.
- Doutor Sobral, o presidente quer falar com o senhor.
- Presidente? Que presidente?
- O general Costa e Silva.
- Não tenho nenhum assunto a tratar com ele. Não vou.
- Mas doutor, é o presidente da República!
- Já disse que não vou. Só se for preso.
O coronel era realmente educado, escolheram o homem certo. Sobral aceitava um diálogo, mas conversa mesmo. Imposição, nunca. Sabedor disso, o coronel ponderou com o mestre.
- Doutor, não me obrigue, por favor, a usar a força. Não é o meu feitio. Iria me sentir muito mal carregando o senhor de pijama, faça a gentileza de me acompanhar. Estou cumprindo ordens. Não estou prendendo nem intimando o senhor, só quero que me acompanhe.
- Ah! Então mudou. Com licença, vou vestir-me. Mas não vou a Brasília não!
- O presidente está no Palácio Guanabara. E traremos o senhor de volta para casa.
Sobral foi. O assunto tratado entre ele e Costa e Silva está guardado em dois túmulos.

OOO

Outra do mestre Sobral

No famoso comício da Cinelândia, pelas “Diretas Já”, o palanque estava formado pela nata da sociedade brasileira. O comandante era Ulysses Guimarães, Deputado Federal que esteve sempre à frente do movimento.
Discursaram muitos famosos. A praça estava superlotada. O último a se pronunciar foi o velho advogado Sobral Pinto, já com voz bastante cansada, mas nem por isso fraca ou não convincente.
Terminou citando artigo máximo da antiga Constituição Brasileira:
- “Todo o poder emana do povo, e em seu nome será exercido”.
Quem passa até hoje na Cinelândia, se prestar atenção, escuta as palmas que o tempo conserva.

16 comentários:

petuninha disse...

Olá, Jorge!
Três passagens interessantes sobre a vida do grande jurista.
Tornaram-se, no conjunto, uma crônica excelente.
Os exemplos dos grandes homens que atuaram no cenário público e partidário brasileiro, não podem ser perdidos nem esquecidos. Servem de exemplo para os atuais e os vindouros.
Parabéns! Beijos. Petuninha.

Mardilê Friedrich Fabre disse...

Coneço Sobral Pinto como um dos maiores juristas brasileiros, mas foi muito bom saber dessas particularidades sobre esta pessoa que marcou época. Abrs Mardilê

Espelho disse...

Gostei da crônica. Gostei de saber que houve, na jurisprudência brasileira, um advogado sério!...

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Deliciosa crônica, Jorge. Muito interessantes estas passagens sobre o grande Sobral Pinto. Algo me diz que você conhece outras. Esperamos mais! Abraços.

Carmem Velloso disse...

Um exemplo, Jorge. Foi uma feliz escolha, quando os advogados perderam a antiga ética que possuiam.
É provável que existam profissionais como Sobral Pinto, mas eu não tenho notícia.
Meu abraço,
Carmem

Maria Luzia Fronteira disse...

Interessante relato Jorge de uma personalidade de certeza interessante
e sem "papas na língua" aquando de determinadas provocações...
Abraços
Manuela

IDERVAL TENÓRIO disse...

Amigo e Professor Jorge Sader Filho, cada um de nós tem dentro de si um Sobral Pinto de emocionantes memórias e lembranças.O que nos impede de soltá-lo são as consequencias, uma vez que, os que estão nos tronos não foram lá colocados por nós, nós somos a minoria. Um dia estas tomadas serão dadas pelos Jorge(s) Sader Cortaz Filho quando ultrapassarem a linha do sem sombra de dúvidas.Hoje ainda se luta pelo pão,pelo cuidado com o uso das palavras. Não se sabe quais as interpretações que serão dadas e nem as condutas a serem tomadas. Um abraço e mais uma vez uma aula de conhecimento e de coragem,tanto do grande Sobral e do escritor atual.do eterno aprendiz Iderval.

Maria Barros disse...

Além de insigne advogado, tinha uma personalidade muito forte, que aliado à simplicidade de sua pessoa, fazia dele um ser de singularidade extravagante e excepcional e com certeza protagonista de muitas histórias pitorescas... Essas três passagens [esperamos que nos contem mais histórias do admirável Sobral Pinto], foram muito bem lembradas pelo amigo Jorge, para nosso deleite! Parabéns Jorge pela beleza de postagem e por nos trazer mais conhecimento da nossa gente brava brasileira! Abraços

Caio Martins disse...

Jorge, Sobral não foi "um momento" da História, mas, um monomento! Bela homenagem, Mestre!

Marco Bastos disse...

Homens de valor se sustêm sobre suas próprias bases de valores. Algumas vezes solitários ou evitando participar de esquemas que não lhes interessam mantém-se íntegros e distantes do ruído e do borburinho. Nos períodos de maior polarização ou conflagrados fazem valer o peso de suas inteligências. Não foi o caso de Sobral Pinto, sempre atuante, mas é o que ocorre em sociedades que passam por longos períodos de descalabro, em que tais valores estão sendo gestados à luz de referenciais como o que ele representou. Não fosse isso, o mundo estaria definitivamente perdido.

marcia disse...

Ler você Jorge é reviver nossa história...bjus

Rita Lavoyer disse...

Gostei muito de conhecer Sobral. Obrigada, Jorge, por me dar informações sobre ele.

Dolce Vita disse...

Excelente!

Anderson Fabiano disse...

Jorjão,

O grande Sobral foi um dos maiores ícones da minha geração.

Se para alguns poucos éramos apenas comunistas baderneiros, ou mesmo românticos, como disse o Gabeira, para Sobral éramos jovens gladiadores defensores da soberania nacional.

Belíssima (e oportuna) homenagem.

Assim, sigo me rendendo a sua excepcional capacidade de emocionar.

Meu carinho,

Anderson Fabiano

lino disse...

Gostei de conhecer Sobral Pinto!
Abraço

Jota Effe Esse disse...

A figura de Sobral Pinto dispensa comentários. Meu abraço.