quarta-feira, 22 de maio de 2013

Canalhas estão sempre presentes



                                   


O mundo tem conhecido, ao longo dos tempos, uma série de homens que passam destruindo tudo e todos.
Não tenho intenção de fazer história, e muito menos a capacidade para tal fato. Sou apenas um observador atento.

Como surgem estes símbolos do mal, geralmente deificados pelo povo? Não é muito difícil a resposta, embora sempre incompleta. O momento em que passa determinado povo é propício ao aparecimento deste tipo canalha. Ao fundo, o espírito de símbolos guerreiros escondem a revolta do povo, que procura solução em verdadeiros falsários e oportunistas espertos.

Todo canalha tem a sua hora e a sua vez. Ele não surge do nada, mas de situações quase sempre esperançosas de grande melhoria. Quem não conhece os nomes de Júlio César, Napoleão Bonaparte, Adolf Hitler, Mussolini, Stálin e tantos outros? Que foram estes homens? Todos símbolos do mal, da crueldade, da tirania e, sobretudo, da vaidade. Mas, por incrível que pareça, todos gozaram de grande prestígio da massa, no tempo em que se encontravam no poder. Alguns são idolatrados até hoje, como Napoleão. O corso matou grande parte da juventude francesa, dilapidou o Tesouro e é ainda reverenciado por muitos franceses como herói nacional.

Passando para tempos mais recentes, os exemplos também se multiplicam. Castro tomou o poder em Cuba heroicamente, mas o sonho tomou a sua mente e ele não admite outro em seu lugar, até hoje. Tem seus seguidores. O cretino Hugo Chávez, inculto e idiota como o seu parceiro nacional Luiz Inácio, licitamente assumiram o maldito poder que corrompe as mentes. Ambos, convém lembrar, contam com o apoio de grande parte da população. Este fato nada significa. Enquanto mantinha Auschwitz em plena matança, Hitler também era admirado pelo povo alemão. O mito Stálin está ressurgindo na Rússia com força espantosa, atemorizando o presidente Vladimir Putin, antigo diretor-geral da KGB, o serviço secreto do mundo comunista. Nem mesmo o coronel Putin está conseguindo sufocar com facilidade um movimento que quer recolocar o sangue e a maldade no poder russo.

Os canalhas, ao que tudo indica, têm a sua hora e sua vez.
 
 
Imagem:  "O fuzilamento de 3 de maio", Francisco Goya, Museu do Prado, Madri.
 


12 comentários:

Caio Martins disse...

Resumindo, Jorge: não somos bonzinhos... Ou se pratica o que moralmente é condenável, ou se é fascinado pelos que o fazem. De aí, leis, cadeias, tribunais etc, que nenhuma outra forma de vida na Natureza precisa.
Mas há sempre um momento em que os monstrinhos têm sua vez e hora, quando pendurados numa forca... Daí, começa tudo novamente. Forte abraço!

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Jorge, você foi benevolente. O elenco citado é muitíssimo mais extenso, infelizmente. Bom texto, meu amigo. Abraços.

Mardilê Friedrich Fabre disse...

Muitas vezes, eu me pergunto como conseguem enganar todo o povo?

Rita Lavoyer disse...

Nossa, que perigo! Já estão distribuindo fichas para os interessados que desejam habitar o planeta Marte nas próximas décadas. Que tristeza saber que o homem também contaminará outros espaços do universo. É, os planetas também terão a sua hora e sua vez!

petuninha disse...

Olá, Jorge!

Gostei deste tema e é bom refletir sobre estas questões. Mesmo porquê os canalhas surgem e se aproveitam do poder para enganar o povo.
Um povo esclarecido e culto percebe quando as cobras venenosas querem dar o bote. Daí a força que os governos fazem para que a Educação não se desenvolva.
Viu-se na TV o perfil do brasileiro que recebe a merreca da bolsa família. E o pior é que votam para continuar recebendo esta bolsa. Tenho receio do que pode acontecer em nosso país, na situação em que se encontra.

Célia Rangel disse...

Bem acho que ..."Se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão
Se gritar pega ladrão, não fica um..."
Troco minhas lentes... mas o problema não é minha visão... Essa sua lista de chamada, Jorge, tem mais integrantes... Lotou a sala de aula de doutorado no assunto!!
Abraço, Célia.

Daniele Cristina disse...

Um grande texto reflexivo!
Me levam a pensar sobre...
Um abraço e sucesso.

Maria Carmem Velloso disse...

Foi breve na lista por qual motivo, Jorge? Para poupar o leitor, acredito.
As considerações são inteiramente cabíveis. Bem escrito, com imagem compatível. Este Goya é muito expressivo.
Beijo. Carmem

Maria Coelho disse...

Tenho medo dos olhos que se acostumam com as mesmas cenas, de pessoas que buscam no homem a figura de um salvador, de gentes que se amotinam por falta de um ideal. Bj

Jota Effe Esse disse...

Muito bem lembrado, Jorge, esse aspecto infeliz da humanidade endeusar canalhas. Meu abraço.

Ana Bailune disse...

E é apenas isto que me consola! Todo canalha acaba sendo desmascarado. excelente postagem!

Anderson Fabiano disse...

Engraçado, né, Jorge...
o povo tem cada uma...

Tudo bem que certas lideranças ganhem prestígio em determinado momento histórico, mas, sempre haverá espaço para as revisões, não é mesmo?

O Brasil, ainda que timidamente, começa a rever o Lulismo. Será que ainda dá tempo de mandar seu nomezinho pro STF?

Tomara que sim.

Meu carinho,
Anderson Fabiano