quinta-feira, 4 de março de 2010

O Sagrado que vive em mim

A Criação/Michelangelo


Quem está vivo sente a necessidade do lado religioso, que é parte importante na vida de todos.
Pouco importa a religião. O que é necessária é a espiritualidade. Deus- Criador é um pouco distante, Deus castigador, mais ainda. Ninguém pode afirmar que Ele existe. Também não pode afirmar o contrário.
Não gosto de teologia nem de teólogos; nada tenho contra eles, mas discutir o que não se sente nem se vê é complicado. É tudo vazio, não se tem uma base, embora, repito, entendo ser a necessidade espiritual muito forte na psique humana.
Vou ser direto. Se estou numa cadeira e em cima da mesa tem um lápis, caso ele caia no solo sou capaz de dizer exatamente com que velocidade caiu, basta de saiba a altura da mesa. Pode ser um peso de dez quilos, ou quantos imaginarmos. Todos se chocam no solo com a mesma velocidade, segundo a equação física da queda livre: a velocidade de um corpo em queda livre é igual à raiz quadrada de duas vezes a gravidade multiplicada pela altura. A velocidade é dada em metros por segundo. E não se discute, basta verificar. Se a altura da mesa é de setenta centímetros, a velocidade com que o lápis toca o solo é de 3,704 m/s.
Com a filosofia e especialmente a teologia, o fato é diferente. O que verdade para Ratzinger não é para Tomás de Aquino. Ou para o Arcebispo do Rio de Janeiro. Ou seja, a confusão está armada. E nesta confusão, perde-se totalmente o conceito do Cristianismo original, hoje todo deturpado pelas autoridades eclesiásticas, ao longo do tempo.
O que eu respeito é o sagrado que vive dentro de mim, apontando-me o Bem. Ainda não foi entendida, por tantos, a frase do Oráculo de Delfos: “Invocado ou não invocado, Deus está sempre presente.”

7 comentários:

Caio Martins. disse...

Jorje, assino em baixo, se me permitir. Tanto a ignorância quanto a prepotência são audaciosas. E quando a segunda se manifesta numa figura que diz "falar em nome dos deuses", temos o perfil exato da primeira nos que o seguem.
Fosse, o que chamam de Deus, tão fácil de ser encontrado, estaria à venda em embalagem tetrapack nos supermercados.
Parabéns pela atitude.

Pedro Jorge disse...

Nada de surpresas no final, ou alguma história que carrega com o leitor.
Mas se diz que não gosta de Teologia, lendo você já andou, senão desconheceria muitos fatos implícitos, por exemplo a frase do antigo Oráculo de Delfos, Grécia Antiga.
Um belo tabalho, Jorge.

Eduarda disse...

Concordo com vc. Eu penso da mesma forma. Se não encontra Deus dentro do seu ser, como encontrar fora?

Beijos da Duda

Anderson Fabiano disse...

jorge,
certa vez, algum sábio me disse: ou você desenvolve as duas asas ou voará em círculos.
venho tentando.. tá dando certo.
então, passei a chamar razão e emoção de asas...
meu carinho, parceirinho,
anderson fabiano

Célso Felício Panza disse...

"O que eu respeito é o sagrado que vive dentro de mim, apontando-me o Bem." Senti que nesse local encontraria, também, a melhor conquista do ser humano; sua confissão de fé na verdade pessoal que suplanta qualquer inverdade contrária; o sagrado que habita em nós. Que esse sacrário inviolável te ilumine sempre, de forma a trazer alegria e paz de espírito para seus leitores. Paza e bem. Celso Felício Panza

Anna Karenina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anna Karenina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.